Já reparou que todo detetive que se preze tem um braço direito?!?! A pessoa nem precisa fazer nada, basta estar lá pra ouvir e, muitas vezes, dar idéias erradas, fazer perguntas sem nexo ou, raramente, ajudar!!

paget_holmesPense bem: Sherlock Holmes tinha o inestimável e sempre errado Dr Watson –  que, segundo Holmes, era romântico demais para ser lógico!! Hercule Poirot, que eu sempre achei muito parecido com seu colega inglês, apesar de ser belga, tinha o seu caro colega Hastings – eu tinha até pena dele, que nunca dava uma dentro e era sempre motivo de piada!! E, pelo que li até agora, o detetive Sam Spade tem sua sempre prestativa secretária Poirot e HastingsEffie!!

Isso me intrigou logo no começo do livro pois sempre fui fascinada pelos “ajudantes” de detetive, ficava imaginando como deveria ser divertido participar de uma investigação, conhecer o raciocínio lógico por trás de tudo… mas de uns anos pra cá comecei a perceber que, na verdade, o grande papel do braço direito é simplesmente ouvir o que o “grande e sábio” detetive tem a dizer!! Sim, porque falar, expor as idéias nos ajuda a enxergar melhor as coisas… quando temos um problema, por exemplo, nada melhor do que falar sobre ele com alguém, mesmo que a pessoa só faça nos escutar!!

Não sei se a Effie será para Spade o que Watson e Hastings foram – grandes ouvintes!! – isso só o livro dirá!! Mas acho que os braços direitos mereciam um pouco mais de respeito, afinal, não é todo mundo que tem a capacidade de simplesmente ouvir!! E vocês, o que acham??

Beijos, Dani