Devo confessar que acabei de ler o livro muito rapidamente mas, tenho dificulde de encontrar palavras para descrever o que penso sobre ele. Nao gostei do livro, mas acho que o livro eh feito para nao se gostar mesmo. Afinal, quem pode gostar de uma barbaridade dessas ? O tema poderia ser melhor abordado. Isso eh fato sim, mas por outro lado, acho que a ideia desse livro era apenas um pequeno grito que certamente ira inspirar a outros mais. Assim espero, assim esperamos. A verdade eh que sabemos o que passa la dentro sim mas temos as maos atadas. Eh necessario que alguem de dentro mude a situacao e eh ai que esta a importancia do livro segundo meu ponto de vista.

Fiz algumas viagens para paises muculmanos. Conheci Marrocos, depois a Turquia e percorri varias cidades do Egito. Lembro que ao sair do Egito a unica coisa que pensava era na condicao das mulheres. Como elas podiam aceitar viver dessa maneira tao subordinada. Subordinada a um ponto que nenhuma mulher que eu conheco, nem mesmo as mais submissas, seriam capazes de suportar no ocidente. Mas a minha agonia nao era so a respeito das mulheres nao. E sim a varias coisas que vi e ouvi. Como foi triste ver um pais que um dia foi um centro da civilizacao completamente destruido e jogado ao abandono. No meu ponto de vista so sobrou a pobreza, a violencia e a falta de respeito para com o ser humano em geral. Fomos desrespeitados varias vezes em varios aspectos como turistas e tendo toda uma estrutura ao nosso redor para nos protejer… o que podemos dizer entao das pessoas que moram la e que absolutamente estao entregues ao azar ? De uma coisa eu estou certa, nao viajarei nunca mais para o Egito e nao tenho o menor interesse de se quer conhecer qualquer outro pais religioso extremista como Paquistao e cia. Considero ja ter visto o suficiente e nao ha nada la que eu tenha interesse de ver. Hipocrisia da minha parte ? Pode ser… mas o fato eh que nao ha nada que nem eu e nem ninguem do lado de ca possa fazer para mudar esse quadro.

Lembro que quando sai do Egito estava certa de que o problema so poderia ser o da religiao. Afinal, eh apoiada nela que a maior parte da brutalidade se desenvolve nao eh mesmo ? Agora sei que vou escutar de muitos de voces que o problema nao eh da religiao e sim da instituicao religiosa. Tudo bem, nao importa, que seja entao. Que o problema esteja entao na forma em que os dirigentes usam e se apoiam na religiao para resolver os problemas das pessoas de forma parcial e impositiva.

No entanto, devo convir que isso nao eh completamente verdade ja que paises diferentes que seguem a mesma religiao como tradicao podem levar a vida de maneira completamente diferente. Nao vi em Istambul o que vi em Marrocos e nao vi em Marrocos o que vi no Egito. O que entao eh diferente ? O extremismo ? A pobreza ? A ausencia de lei ? Ou a impunidade ?

Me diga por favor o que faz que um pais consiga retroceder tanto em anos ? Qual eh o problema ? Porque ainda existe no mundo algo tao extremista como o que acontece no Paquistao e que foi descrito no livro ?

Algo que quero deixar claro aqui eh que nao acho que esse eh um problema do islamismo. O islamismo assim como qualquer outra instituicao religiosa, dentre as que eu conheco obviamente, eh sim bastante sexista, mas nao acho que essa seja a questao tratada aqui. O que considero o problema eh o extremismo religioso, e nesse aspecto, seja cristao extremista, judeu extremista ou muculmano extremista… sempre da merda.

Porque podemos ate dizer que isso existe em todos lugares. E existe sim certamente. No nosso pais esta cheio de varias coisas que lemos no livro e algumas ate piores… mas uma coisa eh fato… em nenhum lugar do planeta me senti tao insegura e indefesa como me senti no Egito. O que diria eu estando no Paquistao ? Nao sei e nao quero saber… essa parte eu vou pular.

A pergunta eh: Se em todos lugares acontece a mesma coisa, o que difere entao o caso de Mukhtar Mai ? Voce acha que se o mesmo tivesse acontecido em um pais europeu ou ate mesmo no Brasil esses caras ai do lado continuariam em liberdade ? Eu acho que nao… pelo menos tenho esperancas que nao. Na verdade o que aconteceria eh que esses , ao inves de serem condenados a morte, seriam jogados na cadeia e sabemos muito bem o que acontece com estupradores de um menino de 12 anos em uma penitenciaria nao eh mesmo ? Justica com as proprias maos ! Mas nesse caso estaria valendo ? Afinal a honra de ambos estuprados, torturados etc e tal seriam lavadas. Honra por honra se paga ?

A impunidade eh algo definitivamente assustador. Nao ter para onde correr e para quem pedir ajuda eh absolutamente inconcebivel. Quando nem mesmo em nossa familia podemos buscar apoio e confianca so nos resta pensar como Mukhtar Mai que disse repetidas vezes que depois do incidente nao consegue confiar mais em ninguem. E ela esta certa ! Ela nao pode confiar em ninguem mesmo. E ai nao tem casta que ajude nao eh mesmo ? No livro mesmo foi dito que se tratando de mulher, nao importa o grau de escolaridade, nao importa se eh rica ou pobre, nao importa se sabe ler ou nao, no final a impunidade eh a mesma para todas. Sem falar que essa impunidade tambem se aplica ao homem mas de maneira mais sutil. Pelo menos nao sao eles que sao usados como mercadoria de troca ou moeda de “honra”.

Podemos ate dizer que a Mukhtar deu “sorte” de conseguir o apoio de alguem, mas e todo o resto das mulheres que estao agora, nesse exato momento sendo estupradas e humilhadas por todo um grupo de pessoas que por alguma razao se sente superior, seja ela financeira ou apoiada nas costas da religiao. O que elas devem fazer ?

Mas uma coisa eh certa, isso precisa mudar. E essa mudanca so pode vir de dentro. Ja pensei bastante sobre isso durante minha estadia no Egito. Nao ha como alguem de fora entrar e tentar mudar essa situacao. Porque ? Porque nos absolutamente nao entendemos e jamais vamos entender o ponto de vista deles e portanto jamais seremos tambem entendidos e escutados.

A mudanca tem que vir de dentro… e eh por essa razao que Mukhatar Mai tem que continuar sua luta ! E eh por essa razao que esse livro existe ! Para que o mundo inteiro saiba e de certa forma a proteja, ja que no pais dela a unica coisa que existe eh a impunidade. Nos, na realidade servimos para mante-la viva para lutar e eh isso que devemos continuar fazendo, pois o dia em que o mundo esquecer dessa mulher ela certamente nao vera mais a luz do dia.

Nao podemos fazer nada mais para ajudar a nao ser mante-la viva. Ela e todas sua seguidoras paquistanesas. Porque ela esta la dentro, faz parte do sistema e continuara la dentro lutando pela mudanca. Porque elas sim falam a mesma lingua, creem nas mesmas coisas e certamente entenderao as necessidades umas das outras. Nao ha intervencao possivel que nao seja dessa maneira.

No meu ponto de vista, essa eh a mensagem do livro: Temos que mante-la viva !

Anúncios