bandeira brasileiraVou retomar um dos fios do Admirável Mundo Novo, que já foi abordado aqui: a questão do controle da informação, da estabilidade e do poder ditatorial. Mustafá Mond, discutindo com o Selvagem, pondera: “Nós acreditamos na felicidade e na estabilidade. (…) Sete horas e meia de trabalho leve, de modo algum exaustivo, e depois a ração de soma, os esportes, a cópula sem restrições e o cinema sensível. Que mais poderiam pedir?

Em fevereiro, tem carná…
Faltou acrescentar carnaval e futebol, em fevereiro, tem carná…
Por isso, me espanta a bandeira brasileira: ordem e progresso. Mas dá para ter progresso com ordem? Para mim, o progresso sempre foi associado, justamente, com um ligeira desordem, aquele desequilíbrio que impulsiona a superação. Justamente o que o Admirável Mundo Novo quer impedir, mantendo a estabilidade e o status quo. Castas felizes – e sem mobilidade. Na ditadura assim era, assim seria. Campeões do mundo, feliz, 80 milhões em ação, salve a seleção. Mas nos jornais, censura rígida. Tudo
em ordem, na santa paz da casa. Afinal, a classe média clama por ordem – conheço bem, faço parte dela.

Big Brother nas esquinas
Não quer perder o pouco que tem: cadê a coragem para abrir mão do carro, do sonho da casa própria, da escola particular e de outros símbolos desta casta? Que venham as câmeras, vigiando ruas, casas, lojas e supermercados. Que venham as grades nas janelas e os espaços de lazer confinados.

Admirável Brasil Novo
Mas um professor, no fundo do seu inconsciente, perdeu um milhão ao responder: na faixa da bandeira está escrito Ordem OU Progresso.
Foi no Show do Milhão, do dia 21 de fevereiro de 2002, e a resposta foi dada pelo professor aposentado Jair Hermínio da Silva. Errada? Acho que ele respondeu certo.

Troquemos a bandeira! Só não sei o que colocaríamos no lugar para representar este Admirável Brasil Novo. Aceito sugestões.

Anúncios